domingo, 10 de março de 2013

Palavras (mal)ditas.

Um faca adentrou e acertou bem no coração. Foi assim que me senti quando te escutei falar. O sangue começou a escorrer em forma de lágrima. Percebi que você sentiu um pouco de receio. Mas também não falou mais. Agora eu senti vontade de falar algo, mas nada fiz. Você se virou e não olhou pra trás. Eu te vi indo e não pedi pra ficar. Fui descansando como quem morre sem entender o por quê. Ao contrário do que você pensa, era o seu fim e o meu recomeço.







/Thamires Figueiredo.

4 comentários:

Marcelo R. Rezende disse...

Nada melhor que uma morte para fazer nascer um novo ser.
Lindo!

Déborah Arruda. disse...

Às vezes o outro está caminhando numa direção oposta à nossa.
Finais são sempre começos, novas estradas, chances de novidade.
Lindo!

Aline Teles disse...

É preciso recomeçar várias vezes na vida, pois alguns finais são inevitáveis. Lindo texto. Beijos.

Roberta Hitler disse...

Lavar a alma é sempre bom!